sexta-feira, 17 de abril de 2015

Policial: 'Mataram para roubar arma', diz delegado sobre morte de agente; cinco suspeitos presos

Reprodução/Walter Parapazzo
As investigações da Polícia Civil, que culminaram na prisão de cinco pessoas suspeitas de assassinar um agente penitenciário no mês de março, em João Pessoa, apontam que os suspeitos teriam realizado o assassinato com o objetivo de roubar a arma do agente. Antes de ser morto, no entanto, ele foi dopado e espancado, de acordo com o relato da polícia durante coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira (17).

O trabalho de investigação foi coordenador pelo Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil (GOE) e contou com a ajuda da Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap). Cinco pessoas, entre elas uma mulher de 33 anos, foram presas na quinta-feira (16), na comunidade Vale das Palmeiras, no bairro do Cristo Redentor em João Pessoa. Outros três suspeitos são procurados pela polícia.

De acordo com o delegado Allan Terruel, a mulher confessou que atraiu a vítima para beber em um bar da comunidade e que colocou um medicamento entorpecente na bebida do agente. Ele ficou dopado e foi levado pelos outros suspeitos para ser morto no Rio Jaguaribe. O crime teria como motivo do crime, segundo Allan, roubar a arma do agente, que ainda não foi encontrada pela polícia. O delegado explica que a ordem para o assassinato partiu de um detento do presídio Desembargador Flósculo da Nóbrega, o presídio do Róger.

Leia outras notícias no Nova Palmeira Notícia


“Após ter sido dopado, ele [o agente] foi espancado. Durante o espancamento ele estava fora de si pelo efeito do medicamento. Ele não teve como reagir em nenhum momento. Ainda estava acordado quando retiraram a arma dele, a carteira funcional, o dinheiro e o celular. Em seguida eles amarraram os braços e as pernas dele pelas costas e levaram para o rio”, explicou Allan.

O delegado explica que a arma do agente é avaliada em cerca de R$ 4 mil no mercado negro, e que não havia histórico de rixa entre o agente e os moradores da comunidade. “Ele sempre bebia na região e nunca tinha feito nada contra os moradores de lá. Essas pessoas mataram apenas para roubar a arma dele”, concluiu.

Entenda o caso

corpo do agente penitenciário, que tinha 33 anos, foi encontrado dentro do Rio Jaguaribe, no bairro do Cristo Redentor. O corpo estava com a cabeça coberta pela camisa e as mãos e pés amarrados. A região da cabeça apresentava vários hematomas. Além de agente penitenciário, a vítima era filho de delegado, segundo a polícia.

G1 PB


0 comentários: